O Herpes

O que é herpes?

Herpes simples é uma infecção que pode ser causada por dois vírus: o Herpes simplex vírus(HSV) tipo 1 e o tipo 2. O HSV-1 é mais comum em infecções labiais e o HSV-2 é mais comum em lesões genitais, entretanto observa-se, mais recentemente, herpes genital associada ao HSV-1 e labial ao HSV-2, podendo ser consequência de prática sexual sem proteção.
Saiba Mais

Como ocorre a contaminação?

O herpes simples é uma doença que pode aparecer nas mais variadas partes do corpo, mas, principalmente, nos lábios e na região genital. Cada um desses locais é normalmente associado a um tipo de vírus específico: o HSV-1 tende a se manifestar nas infecções dos lábios, boca e face, enquanto o HSV-2 costuma atingir os órgãos genitais. Esses vírus são transmitidos por meio do contato direto com a pele ou secreções de uma pessoa infectada, ou seja, por meio do beijo, das relações sexuais, do atrito e até mesmo do compartilhamento de objetos de uso pessoal, como talheres, toalhas etc., já que o vírus consegue sobreviver algumas horas fora do corpo.
Saiba Mais

Qual o impacto causado pelas crises?

Você já deixou de ir a algum compromisso por estar com uma crise de herpes? Se sim, deve saber o quanto essas lesões que aparecem principalmente nos lábios, na boca, nas gengivas ou nos genitais pode atrapalhar a nossa autoestima. Isso sem falar nos incômodos físicos, como a coceira, a vermelhidão, o inchaço, a dor e o desconforto. Em alguns casos leves, as lesões tendem a desaparecer sozinhas, mas em outros, mais graves ou com episódios de crise mais demorados, pode ser necessário intervir. Entre as opções de tratamento estão o uso de medicações antivirais, suplementação de lisina e produtos de uso tópico para diminuir o incômodo provocado pelas lesões. A lisina, inclusive, pode ser utilizada durante as crises e ajuda a reduzir tanto os sintomas quanto o tempo de cicatrização da pele.
Saiba Mais

Alimentação pode influenciar?

Uma dieta de qualidade, rica em nutrientes importantes, tem um papel fundamental tanto para a saúde em geral como para o tratamento do herpes. É por meio dos alimentos que o nosso corpo recebe a maior parte dos nutrientes de que necessita para fortalecer o sistema imunológico, e o vírus se aproveita justamente de momentos de baixa imunidade para se reativar. Um desses nutrientes importantes é um aminoácido chamado lisina, que inibe indiretamente a replicação do vírus HSV (herpes simples), causador do herpes, e acaba contribuindo tanto para o tratamento como para a prevenção de novas crises. Isso acontece porque ele compete com a arginina, um aminoácido vital para a replicação desse vírus.
Saiba Mais

Há riscos da reincidência?

A volta dos sintomas do herpes varia muito de uma pessoa para outra. Algumas têm uma ou outra crise por ano, outras têm cerca de duas a três crises por mês. Para pessoas saudáveis, novas crises de herpes provocam apenas o desconforto habitual dos sintomas, como coceira, ardência, feridas e bolhas na região da boca ou dos genitais, pois, diferentemente da primeira crise, as recidivas não costumam provocar febre. Porém, para pessoas que já tenham alguma doença de pele, doenças crônicas e/ou problemas no sistema imunológico, os riscos de haver alguma complicação e de esta ser séria são bem maiores, então é necessário sempre ter acompanhamento médico, principalmente durante as crises.
Saiba Mais

Herpes genital x labial: qual a diferença?

Para muitas pessoas o herpes é um problema associado à boca por ser conhecido, de forma errada, como a “doença do beijo”. Mas o que muitos não sabem é que ele pode atingir as mais diversas partes do corpo e, além dos lábios, os órgãos genitais são uma área comum de infecções. Existem dois tipos vírus e cada local é normalmente associado a um deles: o HSV-1 tende a se manifestar nas infecções dos lábios, boca e rosto, enquanto o HSV-2 costuma atingir os órgãos genitais. Porém, como essa infecção é transmitida de pessoa para pessoa pelo contato de pele, os casos de herpes genital causados pelo HSV-1 têm aumentado devido à prática do sexo oral sem proteção.
Saiba Mais

Crises de herpes na gravidez: quais os riscos?

Durante a gravidez e amamentação pode ocorrer a transmissão do vírus do herpes para o feto ou recém-nascido de algumas formas: - Se a mãe tem uma infecção genital ativa, pode transmitir o vírus durante a passagem do feto pela vagina no parto normal ou, de forma mais rara, pela placenta. O risco de infecção varia de 33% a 55% após o parto vaginal quando é a primeira infecção da mãe e entre 3% e 5% na infecção materna recorrente. A infecção neonatal é muito grave e necessita de internação hospitalar para o tratamento intravenoso com medicações antivirais específicas. - Se a mãe ou o pai possuírem infecções do herpes na boca, nas mãos ou a mãe nos mamilos, o recém-nascido pode ser infectado pelo contato próximo. - Por contato com outros portadores de feridas causadas pelo herpes.
Saiba Mais

Como Prevenir

Como Prevenir

VOCÊ SABIA?

Imunidade em Alta
É verdade, doutor?

É verdade, doutor?

Vamos ver o que você sabe sobe herpes?
Responda as perguntas, teste seus conhecimentos e esclareça suas dúvidas!

A transmissão mais comum do herpes é através do contato com a pele?

ErradoCoreto Mito!
Mito! A forma de transmissão mais comum do herpes simples é o contato com a saliva. Se o herpes estiver ativo e as feridas estiverem na forma de vesículas, a probabilidade de contaminação é alta.

Feridas na região genital podem ser fatores de risco?

ErradoCoreto Verdade !
Verdade! No caso do sexo oral, tanto a presença de feridas na região genital quando nos lábios são fatores de risco. Tanto o herpes genital quanto o labial pode ser passado de uma região para outra.

Existe cura para o herpes?

ErradoCoreto Mito!
Mito! Infelizmente ainda não há uma cura definitiva para o herpes, já que, uma vez infectado, o nosso corpo não consegue eliminar o vírus.

A lisina é um nutriente que tem o poder de inibir a replicação do vírus do herpes?

ErradoCoreto Verdade !
Verdade! A lisina é um aminoácido importante encontrado nos alimentos nutritivos cuja função é prevenir contra novas crises.

É possível ter mais de uma crise de herpes por ano?

ErradoCoreto Verdade !
Verdade! A volta dos sintomas de pessoa para pessoa. Algumas têm uma ou outra crise por ano, outras têm cerca de duas a três crises por mês.

Posso passar herpes mesmo sem ter sintomas?

ErradoCoreto Verdade !
Verdade! O vírus pode entrar em atividade mesmo sem a presença de feridas aparentes, possibilitando a transmissão mesmo sem sintomas perceptíveis. Por isso é importante usar preservativo.

Durante a gravidez, o bebê está protegido do herpes?

ErradoCoreto Mito!
Mito! Se a mãe tem infecção genital ativa, pode transmitir o vírus durante a passagem do feto pela vagina no parto normal, ou pela placenta.
Atenção

Atualização da Política de Privacidade

O Aché Laboratórios Farmacêuticos S.A. se preocupa com a sua privacidade e quer que você esteja familiarizado com a forma como coletamos, utilizamos e divulgamos suas informações.

Coleta de Informações:

Alguns dados pessoais podem ser solicitados para que você se beneficie de nossos serviços ou programas. Sempre que obrigatório por Lei, seu consentimento será solicitado. Você também poderá exercer seus direitos em relação a seus dados por meio do nosso Canal de Comunição.

Segurança:

Empregamos os melhores esforços para respeitar e proteger seus dados pessoais contra perda, roubo, vazamento ou qualquer modalidade de uso indevido, bem como contra acesso não autorizado, divulgação, alteração e destruição.

Canal de Comunicação:

Para assuntos exclusivamente relacionados à privacidade de dados, clique aqui.

Para outros assuntos, clique aqui.

Política de privacidade, clique aqui.